A avareza

A avareza

Revista Espírita, fevereiro de 1858
DISSERTAÇÃO MORAL DITADA POR SÃO LUIS À SENHORITA HERMANCE DUFAUX
6 de janeiro de 1858

1.
Tu que possuis, escuta-me. Um dia, dois filhos de um mesmo pai receberam, cada um, um
alqueire de trigo. O primogênito encerrou o seu num lugar oculto; o outro encontra, em seu
caminho, um pobre que pede esmola; corre a ele, e vira, no pano do seu casaco, a metade
do trigo que lhe foi dado, depois continuou sua rota, e foi semear o resto no campo paterno.
Ora, por esse tempo, veio uma grande fome, os pássaros do céu morriam ao lado do
caminho. O irmão primogênito correu ao seu esconderijo, mas aí não encontra senão pó; o
caçula, tristemente, ia contemplar o seu trigo, desanimado, quando encontra o pobre ao qual
havia assistido. Irmão, disse-lhe o mendigo, ia morrer, tu me socorreste; agora, que a
esperança secou em teu coração, segue-me. Teu meio alqueire quintuplicou em minhas
mãos; apaziguarei a tua fome e viverás na abundância.

2.
Escuta-me, avaro! Conheces a felicidade? Sim, não é? Teu olhar brilha com um sombrio
esplendor em tua órbita que a avareza cavou mais profundamente; os lábios se fecham; teu
nariz treme e prestas atenção. Sim, ouço, é o ruído do ouro que a tua mão acaricia jogando-o
em teu esconderijo. Tu dizes: É a volúpia suprema. Silêncio! Vem alguém. Fecha depressa.
Bem! estás pálido! teu corpo estremece. Tranqüiliza-te; os passos se distanciam. Abre; olha,
ainda, o teu ouro. Abre! não temas mais; estás bem sozinho. Ouves! não, nada; é o vento
que geme passando sobre a soleira da porta.
Olha; quanto ouro! mergulha plenamente as mãos: faze soar o metal; tu és feliz.
Feliz, tu! mas a noite é sem repouso e o teu sono é atormentado por fantasmas.
Tens frio! Aproxima-te da chaminé; aquece-te nesse fogo que crepita tão alegremente. A
neve cai; o viajor se envolve, friorento, em seu casaco, e o pobre tirita sob os seus andrajos.
A chama do fogo se abranda; atire madeira. Mas não; pare! é o teu ouro que consomes com
essa madeira; é o teu ouro que queima.
Tens fome! Tens, toma; sacia-te; tudo isso é teu, pagaste com o teu ouro. De teu ouro! Essa
abundância te deixa indignado, esse supérfluo é necessário para sustentar a vida? Não, esse
pequeno pedaço de pão basta; ainda é muito. Tuas vestes caem em farrapos; a casa fendese
e ameaça ruir; tu sofres de frio e de fome; mas que importa! tens o ouro.